Show simple item record

dc.contributor.authorBarros, Monica Bastos de Limaes_ES
dc.contributor.authorSchubach, Tania Pachecoes_ES
dc.contributor.authorColl, Jesana Ornellases_ES
dc.contributor.authorGremião, Isabella Dibes_ES
dc.contributor.authorWanke, Bodoes_ES
dc.contributor.authorSchubach, Armandoes_ES
dc.date.accessioned2015-08-25T14:56:13Z
dc.date.available2015-08-25T14:56:13Z
dc.date.issued2010es_ES
dc.identifier.citationBarros, Monica Bastos de Lima,Schubach, Tania Pacheco,Coll, Jesana Ornellas,Gremião, Isabella Dib,Wanke, Bodo,Schubach, Armando (2010) Esporotricose: a evolução e os desafios de uma epidemia. Rev Panam Salud Publica;27(6) 455-460,jun. 2010. Retrieved from http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892010000600007pt_BR
dc.identifier.urihttp://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1020-49892010000600007es_ES
dc.identifier.urihttps://iris.paho.org/handle/10665.2/9675
dc.format.extentmapases_ES
dc.format.extenttabes_ES
dc.relation.ispartofseriesRev Panam Salud Publica;27(6),jun. 2010es_ES
dc.subjectEsporotricosees_ES
dc.subjectZoonoseses_ES
dc.subjectTransmissãopt_BR
dc.subjectBrasilpt_BR
dc.subjectSporotrichosises_ES
dc.subjectZoonoseses_ES
dc.subjectTransmissiones_ES
dc.subjectBrazilen_US
dc.subjectDoenças do Gatopt_BR
dc.subjectSurtos de Doençaspt_BR
dc.subjectEsporotricosees_ES
dc.subjectEsporotricosees_ES
dc.subjectAntifúngicoses_ES
dc.subjectBrasilpt_BR
dc.subjectDoenças do Gatopt_BR
dc.subjectDoenças do Gatopt_BR
dc.subjectSurtos de Doençaspt_BR
dc.subjectAcesso aos Serviços de Saúdept_BR
dc.subjectItraconazoles_ES
dc.subjectExposição Ocupacionalpt_BR
dc.subjectDistribuição Espacial da Populaçãopt_BR
dc.subjectFatores de Riscopt_BR
dc.subjectFatores Socioeconômicospt_BR
dc.subjectEsporotricosees_ES
dc.subjectEsporotricosees_ES
dc.subjectEsporotricosees_ES
dc.subjectSaúde da População Urbanapt_BR
dc.titleEsporotricose: a evolução e os desafios de uma epidemiapt_BR
dc.typeJournal articlesen_US
dc.rights.holderPan American Health Organizationen_US
dc.description.notesA ocorrência de esporotricose em animais e sua transmissão ao ser humano têm sido relatadas em diversos países. Contudo, em nenhum lugar a doença assumiu proporções epidêmicas, envolvendo pessoas e gatos, como no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Dados preliminares apontam para aproximadamente 2200 casos humanos diagnosticados até dezembro de 2009. No Laboratório de Pesquisa Clínica em Dermatozoonoses em Animais Domésticos foram atendidos, até essa data, aproximadamente 3244 gatos. A distribuição geográfica mostra concentração de casos na região metropolitana da Cidade do Rio de Janeiro. O grupo mais acometido são as mulheres de baixo nível socioeconômico, com idade de 40 a 59 anos, que realizam atividades domésticas. O itraconazol foi a droga de primeira escolha para o tratamento. Embora a esporotricose normalmente não acometa órgãos além da pele, mucosa e subcutâneo, tem um custo social indireto - pelo absenteísmo ao trabalho, pelo sofrimento durante a doença ativa e pelo aspecto desagradável das lesões cicatriciais. Por sua vez, nos gatos, é comum o acometimento sistêmico, levando a formas graves de difícil tratamento e evolução para o óbito. Considerando que o tempo de tratamento dos animais é maior do que nos seres humanos, tratar gatos com esporotricose tem sido um dos maiores entraves e permanece como o grande desafio para o controle da epidemia.(AU)pt_BR
dc.description.notesIn the state of Rio de Janeiro, Brazil, sporotrichosis reached epidemic levels, involving humans and cats. Preliminary data indicate that approximately 2200 human cases were diagnosed between 1998 and December of 2009, and 3244 cats were treated. The geographic distribution of cases reveals a concentration in the City of Rio de Janeiro metropolitan area. The disease affects mostly women of a low socioeconomic status, aged 40 to 55 years, who work as housekeepers. Itraconazole has been the drug of choice for treatment. Although sporotrichosis does not usually affect organs other than the skin, mucosa, and subcutaneous tissue, it has an indirect social impact resulting from absenteeism, pain, and discomfort during the active disease stage, and the unpleasant appearance of the scars. In turn, systemic involvement is frequent in cats, leading to serious and difficult- to-treat forms of the disease and death. Considering that treatment time in animals is longer than in human beings, treating cats with sporotrichosis has been the greatest obstacle and the most important challenge for the control of this epidemic infection.(AU)en_US


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record