Show simple item record

dc.contributor.authorGomes, I.
dc.contributor.authorAugé de Mello, P.
dc.date.accessioned2019
dc.date.available2019
dc.date.issued1994
dc.identifier.citationGomes I, Augé de Mello P. Ensaios de infecciosidade do vírus da febre aftosa. I. Transmissão entre bovinos infectados e contatos e suínos. Bol Cent Panam Fiebre Aftosa. 1994; 60: 36-48.pt_BR
dc.identifier.issn0009-0131
dc.identifier.urihttps://iris.paho.org/handle/10665.2/51264
dc.description.abstractQuatro experimentos de infecção por instilação nasal dos vírus O, A e C da febre aftosa em bovinos e sua transmissão para bovinos e suínos foram realizados com a finalidade de estudar vários parâmetros indicativos da infecção. No experimento com vírus A24 onde os bovinos foram inoculados por vía intranasal em grupos com doses infectantes crescentes (10(3), 10(5) e 10(7) as curvas de replicação do vírus na área faríngea estiveram condicionadas ás concentrações do vírus inoculadas, principalmente nas primeiras horas pós-infecção (HPI). De nove bovinos inoculados foi possível detectar viremia em quatro, a qual antecedeu em 24 horas ao aparecimento de lesões clínicas. As lesões clínicas foram detectadas em dois bovinos ás 148 HPI e em dois às 196 HPI evidenciando um retardamento já observado anteriormente em testes com virus A24. O aparecimento das lesões em suínos também esteve relacionado com a dose do vírus inoculada nos bovinos. No teste com o vírus C3 dois animais sem anticorpos, inoculados frente a esse vírus apresentaram curvas de replicação na área faríngea e viremia semelhantes. Em outro bovino que apresentaram curvas de replicação na área da faríngea e viremia semelhantes. Em outro bovino que tinha anticorpos, houve dois ciclo de replicação do vírus na área faríngea,formação de anticorpos neutralizantes e anti-Via, porém não houve a doença clínica. Nos bovinos em contato com os inoculados foi detectado vírus na área faríngea a partir de 48 horas pós-contato (HPC) com aparecimento de lesões clínicas entre 96 e 120 HPC. Nos suínos em contato, as lesões foram evidentes entre 96 e 144 HPC. Nos dois experimentos com vírus O1 as curvas de replicação do vírus na área faríngea e viremia foram similares, sendo detectado vírus na área faríngea dos bovinos inoculados a partir das 5 HPI e após 48 horas nos bovinos contatos. A viremia foi detectada entre 72 e 96 HPI ou HPC antecedendo em um dia ou coincidindo com o aparecimento das lesões clínicas. Os suínos em contato evidenciaram lesões clínicas entre 7 e 9 dias pós-contato (DPC).Embora sendo oriundos de áreas endêmicas, os bovinos apresentaram padrões de replicação do vírus da febre aftosa na área faríngea e viremia, assim como o processo de transmissão entre bovinos e suínos similares àqueles encontrados por outros pesquisadores com animais de áreas livres.pt_BR
dc.language.isoptpt_BR
dc.publisherOPASpt_BR
dc.relation.ispartofseriesBol Cent Panam Fiebre Aftosa
dc.subjectFebre Aftosapt_BR
dc.subjectSuínospt_BR
dc.subjectAdministração Intranasalpt_BR
dc.subjectReplicação Viralpt_BR
dc.subjectFaringept_BR
dc.subjectAnticorpospt_BR
dc.subjectFerimentos e Lesõespt_BR
dc.titleEnsaios de infecciosidade do vírus da febre aftosa. I. Transmissão entre bovinos infectados e contatos e suínospt_BR
dc.typeJournal articlesen_US
dc.rights.holderPan American Health Organizationen_US
dc.contributor.corporatenameOrganização Pan-Americana da Saúdept_BR
paho.isfeatured0en_US
paho.publisher.countryBrazilen_US
paho.publisher.cityRio de Janeiroen_US
paho.source.centercodeBR680.1en_US
paho.contributor.departmentCentro Panamericano de Fiebre Aftosa y Salud Pública Veterinaria (PANAFTOSA)
paho.journal.vol60


Files in this item

Thumbnail

This item appears in the following Collection(s)

Show simple item record